APH

APH

Lucro da Petrobras cai 42% no primeiro trimestre



Com queda na produção de petróleo e menores margens nas vendas de combustíveis, a Petrobras fechou o primeiro trimestre de 2019 com lucro líquido de R$ 4 bilhões, queda de 42% com relação ao verificado no mesmo período do ano anterior. Segundo a empresa, o resultado foi fortemente impactado por mudanças em normas contábeis a respeito de arrendamento de equipamentos e também por provisão de R$ 1,4 bilhão para litígio envolvendo a empresa de sondas Sete Brasil. 

Sem isso, disse a companhia, o lucro seria de R$ 5,1 bilhões, ou 5% a menos do que o resultado -também ajustado- do mesmo período do ano anterior. Na comparação com o quarto trimestre de 2018, o lucro de R$ 4 bilhões anunciado pela estatal é 93% superior. Em comunicado ao mercado, a companhia comemorou o 16º trimestre seguido com fluxo de caixa positivo e disse que está "firmemente comprometida" com o objetivo de reconquistar o selo de boa pagadora no mercado internacional. 
Em sua mensagem aos acionistas, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, reforçou que a estratégia é focar recursos na exploração e produção de petróleo e aprofundar seu plano de venda de ativos. Em abril, a companhia anunciou desejo de se desfazer de 8 de suas 13 refinarias. "Acreditamos que a redução da alavancagem financeira e do valor absoluto do endividamento, o aumento do prazo médio de duração e a melhoria considerável no relacionamento com o mercado global de capitais viabilizará a melhoria da percepção de risco da Petrobras", escreveu o executivo.
No trimestre, a Petrobras produziu uma média de 2,54 milhões de barris de petróleo e gás, 5% a menos do que no mesmo período do ano anterior, devido à venda de ativos e declínio em campos mais antigos. Com queda na produção e petróleo 5% mais barato, o lucro da área de exploração e produção de petróleo caiu 12%, para R$ 10,1 bilhões.

Responsável pela produção e venda de combustíveis, a área de refino da Petrobras teve lucro de R$ 1,9 bilhão, queda de 38% com relação ao primeiro trimestre de 2018. A companhia vendeu 5% a mais no período e diz ter recuperado mercado que era abastecido por importação ao praticar menores margens. A margem do segmento caiu 3 pontos percentuais, para 8%.

Foi o primeiro balanço divulgado sob a nova norma contábil IFRS 16, que determina a contabilização nos ativos também de equipamentos arrendados -e contabilizando como dívida os valores previstos para o pagamento dos aluguéis no longo prazo. Com grande número de plataformas alugadas, a Petrobras contabilizou um aumento de R$ 103,4 bilhões em seu endividamento, que chegou a R$ 372,2 bilhões.
Assim, o indicador de dívida líquida sobre Ebitda (indicador que mede a geração de caixa) foi de 3,19 vezes. Sem considerar os efeitos da mudança contábil, disse a companhia, a dívida seria de R$ 266,3 bilhões e o indicador de endividamento, de 2,37 vezes. Castello Branco vem dizendo que a meta é chegar a 1,5 vez. No primeiro trimestre, a Petrobras teve receita de R$ 80 bilhões, 7% a mais do que no mesmo período de 2018. O Ebitda também aumentou 7%, para R$ 27,5 bilhões. Com o resultado, a estatal aprovou pagamento de R$ 1,3 bilhão aos acionistas como dividendos antecipados pelo lucro trimestral.
Em 2018, a Petrobras teve o seu primeiro lucro líquido anual após quatro anos de prejuízos com a contabilização de perdas provocadas pelo esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. Com o resultado, de R$ 25,7 bilhões, se comprometeu a pagar a seus acionistas dividendos de R$ 7,1 bilhões.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.